19/11/2019

Mitocôndria, A Origem Da Vida Complexa?

teoria da endossimbiose foi proposta em 1981 por Lynn Margulis, uma bióloga e professora na Universidade de Massachusette , nesta teoria ela levanta a hipótese de que as mitocôndrias e os cloroplastos são descendentes de bactérias primitivas que foram englobadas por uma célula maior e assim passaram a viver dentro de células eucariontes em um processo de endossiobiose (quando um organismo vive dentro do outro para um troca mútua de benefícios).

Mas por que essas bactérias primitivas passaram a viver no interior das células eucariontes?

Segundo a teoria endossimbiótica, a célula que englobou as células procariontes eram células fagocíticas, ou seja, eram células capazes de englobar partículas. Após englobar essas bactérias os dois organismos começaram a viver de forma harmônica.

 Com o passar do tempo as células procariontes se transformaram em mitocôndrias e cloroplastos, assim através das mitocôndrias as células eucariontes passaram a consumir gás oxigênio e através dos cloroplastos começaram a fazer fotossíntese. Por outro lado, a célula eucarionte hospedeira oferecia abrigo e alimento para as células procariontes.

Sendo assim a endossimbiose foi fundamental para o desenvolvimento da maioria dos seres vivos. As células eucariontes que possuíam mitocôndrias deram origem aos protozoários, fungos e animais, e as células eucariontes que possuíam cloroplasto deram origem as plantas.

Mas afinal existem dados que indiquem que as mitocôndrias e cloroplastos tiveram origem em bactérias endossimbiontes?

Sim! Existe uma lista de evidências que nos indicam esta teoria.

Tanto as mitocôndrias quanto os cloroplastos possuem um código genético diferente das células eucariontes e a sequência de DNA de algumas bactérias se assemelham a sequência de DNA dos cloroplastos e das mitocôndrias.

Além dessas organelas serem as únicas a possuírem o seu próprio DNA, elas fazem suas próprias proteínas, possuem seus próprios ribossomos e tem a capacidade de autoduplicação. Elas também sofrem efeito de alguns antibióticos e possuem tamanho semelhante ao das bactérias.

O DNA dessas organelas é diferente do DNA que existe no núcleo celular e em quantidade se assemelha ao das bactérias, além disso ambos se formam por fissão binária assim como as bactérias.

A estrutura bioquímica dos cloroplastos, como a presença de tilacoides (sistemas de membranas internas) e alguns tipos de pigmentos são semelhantes aos das cianobactérias. E ambas as organelas possuem seu próprio sistema de membranas internas e a presença de duas membranas que as revestem.

Essas são apenas algumas das evidências, o que torna essa teoria bem aceita pela comunidade científica. Com base no que conhecemos as bactérias primitivas são a origem mais provável da forma de vida que conhecemos hoje. 

Curiosidades

Atualmente podemos observar a endossimbiose em algumas espécies, como a Vorticella um protista que faz endossimbiose com algas verdes. A alga fornece ao protista produtos da fotossíntese e em troca recebe nutrientes e minerais.

 

 

 

 

 

Referências

teoria da endossimbiose foi proposta em 1981 por Lynn Margulis, uma bióloga e professora na Universidade de Massachusette , nesta teoria ela levanta a hipótese de que as mitocôndrias e os cloroplastos são descendentes de bactérias primitivas que foram englobadas por uma célula maior e assim passaram a viver dentro de células eucariontes em um processo de endossiobiose (quando um organismo vive dentro do outro para um troca mútua de benefícios).

Mas por que essas bactérias primitivas passaram a viver no interior das células eucariontes?

Segundo a teoria endossimbiótica, a célula que englobou as células procariontes eram células fagocíticas, ou seja, eram células capazes de englobar partículas. Após englobar essas bactérias os dois organismos começaram a viver de forma harmônica.

 Com o passar do tempo as células procariontes se transformaram em mitocôndrias e cloroplastos, assim através das mitocôndrias as células eucariontes passaram a consumir gás oxigênio e através dos cloroplastos começaram a fazer fotossíntese. Por outro lado, a célula eucarionte hospedeira oferecia abrigo e alimento para as células procariontes.

Sendo assim a endossimbiose foi fundamental para o desenvolvimento da maioria dos seres vivos. As células eucariontes que possuíam mitocôndrias deram origem aos protozoários, fungos e animais, e as células eucariontes que possuíam cloroplasto deram origem as plantas.

Mas afinal existem dados que indiquem que as mitocôndrias e cloroplastos tiveram origem em bactérias endossimbiontes?

Sim! Existe uma lista de evidências que nos indicam esta teoria.

Tanto as mitocôndrias quanto os cloroplastos possuem um código genético diferente das células eucariontes e a sequência de DNA de algumas bactérias se assemelham a sequência de DNA dos cloroplastos e das mitocôndrias.

Além dessas organelas serem as únicas a possuírem o seu próprio DNA, elas fazem suas próprias proteínas, possuem seus próprios ribossomos e tem a capacidade de autoduplicação. Elas também sofrem efeito de alguns antibióticos e possuem tamanho semelhante ao das bactérias.

O DNA dessas organelas é diferente do DNA que existe no núcleo celular e em quantidade se assemelha ao das bactérias, além disso ambos se formam por fissão binária assim como as bactérias.

A estrutura bioquímica dos cloroplastos, como a presença de tilacoides (sistemas de membranas internas) e alguns tipos de pigmentos são semelhantes aos das cianobactérias. E ambas as organelas possuem seu próprio sistema de membranas internas e a presença de duas membranas que as revestem.

Essas são apenas algumas das evidências, o que torna essa teoria bem aceita pela comunidade científica. Com base no que conhecemos as bactérias primitivas são a origem mais provável da forma de vida que conhecemos hoje. 

Curiosidades

Atualmente podemos observar a endossimbiose em algumas espécies, como a Vorticella um protista que faz endossimbiose com algas verdes. A alga fornece ao protista produtos da fotossíntese e em troca recebe nutrientes e minerais.

Referências

BLACK, J.G. Microbiologia: fundamentos e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 2002, p.829

SOUZA A. Introdução ao Estudo de Microbiologia: Teórica e Prática. Instituto Federal de Brasília. Editora IFB., 2013, p.17.

Graham M, GRAHAM L. Endosymbiotic Chlorella (Chlorophyta) in a Species of Vorticella (Ciliophora). Transactions of the American Microscopical Society. Apr 1980. 99 (160-166).

Euro Anglo Unidade Piracicaba - SP