12/11/2019

Tabagismo Passivo e Sua Problemática de Saúde Pública

Atualmente, o tabagismo passivo é considerado como o principal poluente presente em ambientes internos, residenciais ou comerciais. Do mesmo modo, é apontado como uma das causas evitáveis de mortes primordiais em países desenvolvidos, juntamente com o tabagismo ativo e o alcoolismo. Nos EUA estima-se a ocorrência de 3.000 óbitos por câncer de pulmão em “fumantes passivos”, além de 62.000 óbitos por doenças cardiovasculares anualmente, que podem ter correlação com o tabaco. Em contrapartida, outros poluentes ambientais justificam menos de 100 óbitos de câncer de pulmão por ano.

Ademais, a relação do tabaco com o câncer do pulmão, pode estar relacionada ao aumento do risco de neoplasias em outras localizações, como na cabeça e pescoço (esôfago, laringe, língua, glândulas salivares, lábios, boca e faringe), na bexiga, no colo uterino, na mama, no pâncreas e no intestino. De acordo com a literatura cientifica, o fumo passivo aumenta o risco de mutagênese em seres humanos principalmente em crianças e idosos.

O câncer de cavidade oral integra o conjunto de neoplasias que acometem a cabeça e o pescoço, observados em cerca de 300 mil casos novos no mundo desde 2012, sendo que, desses, aproximadamente dois terços são no sexo masculino. O tipo mais comum de câncer de cavidade oral é o carcinoma de células escamosas, em geral, ele se desenvolve a partir da progressão de uma hiperplasia epitelial, alterando-se para um carcinoma in situ e depois para a forma invasora. Entretanto, nem todos os carcinomas passam por esses estágios.

Ligados a esse tipo de tumor, a exposição à fumaça de cigarro prejudica o transporte mucociliar em humanos, tanto em exposições agudas como em exposições crônicas, sendo a fumaça de cigarro está associada a profundas alterações nos mecanismos de produção de muco. Da mesma forma, a fumaça obtida de cigarros, podem provocar alterações funcionais e alterações estruturais importantes sobre o epitélio respiratório.

A exposição crônica a essa fumaça provoca alterações metaplásicas da mucosa respiratória, como o aumento no número e tamanho de células caliciformes, consequentemente um aumento de secreção nas vias aéreas. Também demonstraram in vitro que a exposição à fumaça de cigarro é capaz de inibir o transporte de cloreto em células epiteliais, promovendo alterações fisiológicas semelhantes àquelas encontradas em pacientes com fibrose cística. 

A educação continuada e desenvolvimento social frente a necessidade de transmissão de conhecimentos para população, reduziriam a exposição de pessoas e evitaria futuros problemas quanto a problemática aborda. A gestão de informações deve estar além das universidades, tendo a necessidade de chegar a população através de linguagem simples e descomplicada.

Referencias

Almeida Junior, S. de, Silva, M.M. da, Popolim, R.S., Gonçalves, C.R., Melo, M.R.S. de, and Bulgo, D.C. (2019). Dissemination of knowledge and scientific production in professionalizing courses: a report of experience. Pubsaúde 2, 1–8.

Bascom, R. et al.Sidestream tobacco smoke exposure acutely alters human nasal mucociliary clearance. Environ Health Perspect. 1995;103:1026–1030

Carrard, V.C., Ferreira, L.A., Lauxen, I. da S., Costa, C.H., and Rados, P.V. (2007). Teste dos micronúcleos : um biomarcador de dano genotóxico em células descamadas da mucosa bucal. Micronucleus assay : a biomarker of genotoxic damage in exfoliated oral mucosa cells.

Carvalho, M.B.D., Ramirez, A., Gattás, G.J.F., Guedes, A.L., Amar, A., Rapoport, A., Barauna Neto, J.C., and Curioni, O.A. (2002). Correlação entre a evolução clínica e a freqüência de micronúcleos em células de pacientes portadores de carcinomas orais e da orofaringe. Revista da Associação Médica Brasileira 48, 317–322.

Dietz, J., Diehl, A.S., Prolla, J.C., Furtado, C.D., and Furtado, A.D. (2000). Pesquisa de micronúcleos na mucosa esofágica e sua relação com fatores de risco ao câncer de esôfago. Revista da Associação Médica Brasileira 46, 207–211.

[documento eletrônico] Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva – Rio de Janeiro: INCA, 2015. Disponível em :www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf  Acesso em 11 de out de 2016

Junior, S. de A., Silva, F.C. da, Moreira, N.I.T., Bulgo, D.C., Oliveira, L.N., Rodrigues, A.A., Silva, G.H.V., Gonçalves, C.R., Souza, B.C. de, Pereira, L.A., et al. (2019). Bases pedagógicas em curso profissionalizante de Farmácia e Laboratório Clínico como apoio na construção profissional do indivíduo. Revista Eletrônica Acervo Saúde e649–e649.

Karaman M, Tek A. Deleterious effect of smoking and nasal septal deviation on mucociliary clearance and improvement after septoplasty. Am J Rhinol Allergy. 2009; 23(1):2-7

Kreindler JL, Jackson AD, Kemp PA, Bridges RJ, Danahay H. Inhibition of chloride secretion in human bronchial epithelial cells by cigarette smoke extract. Am J Physiol Lung Cell Mol Physiol. 2005; 288:894-902

Lofroth G. Environmental tobacco smoke: overview of chemical composition and genotoxic components. Mutat Res 1989; 222:73-80

Santos, M. de O. (2018). Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia 64, 119–120.

Schmid  W. The micronucleus test. Mutation Research, 1975; 31 g-15

Wünsch Filho, V., Mirra, A.P., López, R.V.M., and Antunes, L.F. (2010). Tabagismo e câncer no Brasil: evidências e perspectivas. Rev. bras. epidemiol. 13, 175–187.

Artigo realizado no G.E.T.o.S. a ser submetido em Revista Cientifica.

Aluna: Jéssica Cardoso Faria
Orientador: Prof. Silvio Almeida
Curso: Fármacia e Laboratório

Euro Anglo Unidade Franca - SP