28/11/2019

Câncer De Próstata, Um Mal Que Atinge Também Os Animais!

Estamos no mês e novembro que é também chamado de “Novembro azul” relacionado ao combate ao câncer de próstata que além de ser voltada para homens, os animais também não estão livres desse mal.

Devido ao aumento da longevidade de cães e gatos, há também o surgimento de doenças que frequentemente se manifestam em cães e gatos senis e logo começaram a ser diagnosticadas com maior frequência na rotina da clinica de pequenos animais, isso inclui afecções prostáticas.

A próstata é a única glândula acessória encontrada em todos os mamíferos machos. Ela tem a forma oval que circula a uretra e apresenta como principal função a produção de fluido no ato da ejaculação, tornando o ambiente propício para a sobrevivência dos espermatozoides. A próstata de animais na fase pré-púbere da vida são pequenas comparada a animais na fase adulta.

Possui uma importância clínica maior em homens e cães devido à incidência de afecções acometidas neste órgão, sendo rara na espécie felina. Os autores Leav et al. (2001) e Heverhagen et al. (2004) afirmam que as doenças acometidas nesse órgão como a hiperplasia prostática benigna (HPB), prostatites, cistos e neoplasias são doenças comuns em cães machos não sejam castrados, observando um volume desse órgão, fazendo com que o tamanho aumente de duas a seis vezes mais que de um cão saudável.

Os animais acometidos por essa enfermidade podem ser manifestadas em algo chamado de síndromes prostáticos sendo os sinais clínicos observados dos mais variados. Os cães apresentam frequentemente doenças do trato urinário como hematúria (presença de sangue na urina), secreção incomum na uretra, disúria (dificuldade de micção), infecções urinárias não responsivas ao tratamento ou até mesmo incontinência urinária.

 O cão também pode apresentar sinais em outros sistemas, como o caso do trato intestinal, como disquezia (dificuldade de defecar), tenesmo (vontade constante de evacuar sem que haja necessidade), fezes secas em formato de “fita” que pode estar com a presença de sangue (hematoquezia). Pode também ter dificuldade de se locomover, podendo também apresentar sinais inespecíficos como febre, vômito e letargia. Quando não tratado, pode agravar a situação levando a doença renal crônica, hidronefrose (dilatação do rim como consequência da obstrução do trato urinário) e até mesmo uma hérnia perineal.

O diagnóstico é feito através dos sinais clínicos, exame de ultrassom que se obtém evidências de alterações quanto ao tamanho, estrutura, forma e arquitetura da próstata, radiográficos e palpação retal, exame feito igualmente em homens. Este último é o melhor método de avaliação da próstata e também o mais acessível por ser rápido e fácil de executar.

            O foco nesse artigo será o câncer de próstata, que ocorre com frequência em cães e assim como nos homens ocorre de forma espontânea. Dentre os fatores que estão relacionados ao processo de carcinogênese está o desequilíbrio hormonal que ao passar do tempo de sua vida o animal irá ter. Infelizmente seu prognóstico é desfavorável levando a uma metástase quando não diagnosticado a tempo.

            Essa é uma das inúmeras doenças que deve ser tomada sua devia importância e prevenidas levando a consultas rotineiras ao médico veterinário para check-ups, principalmente animais que estão na fase de meia-idade ou idosos.

 

HEVERHAGEN, J.T.; von TENGG-KOBLIGK, H.; BAUDENDISTEL, K.T.; JIA, G.; POLZER, H. Benign Prostate Hyperplasia: evaluation of treatment response with DCE / MRI. Magnetic Resonance Materials in Physics Biology and Medicine. v.17, p.5-11, 2004.

LEAV, I.; SCHELLING, K.H.; ADAMS, J.Y.. Role of canine basal cells in prostatic post natal development, induction of hyperplasia, sex hormone stimulated growth and the ductal origin of carcinoma. Prostate 47:149-163, 2001.

LEAV I, GERALD VL. Adenocarcinoma of the canine prostate. Cancer, v.22, p.1329- 1345, 2006.

 MARIANO, R. S. G.; USCATEGUI, R.A.R.;, MEDEIROS, R.M.; BARROS, F.F.C, VICENTE, W.R.R.; TEIXEIRA, P.P.M. Principais afecções prostáticas em cães. Investigação, v.14, n.1, pág. 98-103, 2015.

 

Nome: Isadora Caruso
Orientador(a): Isadora Caruso
Curso: Auxiliar de Médico Veterinário e Pet Shop.

Euro Anglo Unidade Sorocaba - SP