23/01/2020

Dicas para fazer pesquisas assertivas na área jurídica

A internet veio para mudar a forma de viver. Seja quanto aos relacionamentos ou a forma de aprender, essa ferramenta é muito frequente no dia a dia das pessoas, estando na palma de nossas mãos.

Diante disso, quando precisamos nos informar sobre algo, dificilmente procuramos em uma enciclopédia. Isso se deve ao fato de, além de ser mais acessível, a internet possibilita uma atualização constante. Se um livro for atualizado, é necessário investir e comprar outro. Se um blog é atualizado, ao acessá-lo já recebemos a informação mais recente.

Há críticas contra sua utilização. Entretanto, como recurso acessível e rico, a utilização dessa tecnologia para pesquisas é uma realidade. O que precisamos, em verdade, é aprender a usá-la de forma mais assertiva. Neste texto, vamos entender como fazer pesquisas sérias e de qualidade no mundo do Direito.

Primeiro, para você escolher uma fonte, deve-se analisar sua procedência. Duas perguntas orientam sua escolha: esse texto jurídico está escrito onde e quem foi seu autor? Caso não possa confirmar a qualificação do autor, é melhor não utilizar.

Na área jurídica, assim como na medicina, existe muita informação falsa circulando. Além disso, boa parte das pessoas pesquisam na internet suas dúvidas antes de recorrer a advogados e médicos. Dessa forma, recorrer a pessoas qualificadas e fontes confiáveis é mais do que fundamental.

Segundo, quanto a legislação, outra particularidade da área jurídica é a constante atualização da lei. Se você acessar um site sobre direito trabalhista, cujas publicações foram feitas há dois meses, por exemplo, pode ser que estejam desatualizadas. Para resolver essa questão, é sempre importante pesquisar no site do Planalto a legislação, porque essa fonte é confiável o suficiente e atualizada com rapidez. Ler textos jurídicos relativos a lei requer a leitura também da legislação atual, a fim de evitar que esteja ultrapassada.

Sobre artigos científicos, um recurso bastante interessante é o Google Acadêmico. Nessa ferramenta, as publicações científicas podem ser encontradas de forma fácil e rápida. Existem plataformas com artigos, como a SciELO, mas o Google Acadêmico facilita já que pesquisa em mais de uma plataforma, ampliando suas possibilidades.

Aqui cabe destacar algo importante: blogs podem conter conteúdo de qualidade, mas se a sua intenção é usar a informação em um trabalho de conclusão de curso (o famigerado TCC), é melhor utilizar artigos científicos, que possuem rigor técnico para sua publicação. Assim, você assegura que aquele texto é verdadeiro e seguiu os padrões exigidos.

Existem, ainda, as jurisprudências. Estas podem ser encontradas em sites que fornecem esse tipo de inofmrção, como o JusBrasil. Caso queira confirmar, basta pesquisar pelo número do processo. Em alguns casos, eles liberam o documento da decisão, o que facilita ainda mais a comprovação da informação.

Até aqui, falei pensando em pessoas que atuam na área jurídica e em acadêmicos. Mas e se você só quer saber se a informação está correta?

De tão comum nos tempos atuais, as fake news se tornaram assunto recorrente nos noticiários, inclusive ingressando no meio acadêmico. Geralmente, são propagadas via redes sociais, especialmente por Whatsapp.

De que forma é possível se prevenir? Para começar, duvide. Sempre duvide. Quando aquela informação chegar na conversa, busque confirmar antes de acreditar. Não é porque chegou no seu Whatsapp que é verdade. Aliás, a forma mais comum de propagar fake news (inclusive com a contratação de empresas para isso) é o seu colega que manda aquela notícia para você.

As mensagens no WhatsApp que aparecem como "encaminhada" não foram escritas pela pessoa que te enviou. De alguma forma, alguém escreveu aquilo e repassou ao seu colega. Portanto, já comece desconfiando.

Você pode pesquisar no Google se aquela informação procede, e verificar em sites de grande visibilidade se são reais. Existem, também, sites próprios para desmentir boatos. Jornais de grande circulação costumam ter um espaço para confirmar a veracidade das informações.

E se um jornal de grande circulação propagar fake news? Bom, aí existe o super controle que as redes sociais permitem. Inúmeras pessoas irão questionar a veracidade. Se outros meios de comunicação questionarem, acenda o alerta vermelho. Só cuidado para não cair em fake news que transformam notícias verdadeiras em fake news, para alguma finalidade política. É, no mundo da internet tudo é possível.

Há muitos casos de leis que se dizem criadas, quando na verdade nem passou por votação. Diante desse cenário, conhecer o básico sobre o processo de criação das leis pode te ajudar a não ser enganado. Saber que um projeto de lei ainda não é lei, e que esta precisa ser aprovada pelo Poder Legislativo para assim ser considerada.

Combater as fake news e realizar pesquisas corretas é uma conduta extremamente necessária. Não se pode inventar algo, muito menos propagar aquilo que não tem certeza. Por isso, na área jurídica e em qualquer situação, pesquisa de forma séria e responsável. Com as dicas citadas nesse texto, você terá garantias de que sabe do que está falando!

Nome: Laís Farinelli Menusi                                                           Turma: professora
Orientador(a): Laís Farinelli Menusi                                             Curso: Gestão Jurídica

Euro Anglo Unidade Ribeirão Preto - SP